Depressão espiritual

Como pode um livro publicado em 1964, baseado em uma série de mensagens pregadas na Westminster Chapel em Londres no ano de 1954, continuar a ser tão atual?

Quando trata-se do ministério do pastor galês Dr. David Martyn Lloyd-Jones (1899-1981) isso é possível. Como Deus usou e ainda usa seus livros a falar ao meu coração a cada leitura (e releitura), caso deste clássico – “Depressão espiritual: suas causas e cura”, Editora PES.

Tive contato pela primeira vez com essa obra por volta de 1997 nos meus tempos de seminário ainda em Londres (e tive a honra de participar de alguns cultos nessa igreja). Estou relendo essa obra e parece um novo livro, apropriado aos questionamentos dessa grande crise na saúde mental e espiritual de tantas pessoas no dia-a-dia, de jovens a adultos.

A abordagem de Lloyd-Jones é profunda e urgente (sua mensagem se dirigia naquela época a uma geração que havia enfrentado duas grandes guerras mundiais e a uma grande depressão econômica), combina seu conhecimento como médico e seu discernimento espiritual. Uma leitura essencial para nos ajudar hoje.

A seguir, alguns trechos para encorajá-lo também a descobrir essa obra.

“Ao enfrentarmos o mundo moderno, com todas as suas perturbações e turbulências, com suas dificuldades e tristezas, nós, que nos dizemos cristãos e professamos o nome de Cristo, devemos representar a nossa fé diante dos outros de tal maneira que eles digam: ´Aí está a solução. Aí está a resposta´. Num mundo em que tudo perdeu o rumo, devemos nos sobressair como homens e mulheres caracterizados por uma alegria e segurança interior inabaláveis, apesar das circunstâncias e adversidades. Creio que concordarão comigo quando digo que este é um quadro que tanto o Antigo Testamento quanto o Novo apresentam do povo de Deus. Esses homens de Deus se sobressaíram porque, quaisquer que fossem as circunstâncias e condições, eles pareciam possuir um segredo que os capacitava a viver em triunfo, sendo mais do que vencedores. Portanto, é imprescindível que examinemos o problema da depressão espiritual muito de perto” (p.25).

“O tipo de pessoa que pensa que, desde o momento em que aceitamos o Senhor Jesus Cristo, todos os nossos problemas ficam para trás e ´viveremos felizes para sempre´ certamente sofrerá de depressão espiritual algum dia. Somos levados a esta vida maravilhosa, a esta condição, pela graça de Deus. Todavia, não devemos esquecer que contra e acima de nós existe outro poder. Pertencemos ao reino de Deus, mas a Bíblia nos previne que somos confrontados por outro reino, que também é um reino espiritual, e que nos ataca e sitia a toda hora. Enfrentamos uma ´luta da fé´, e ´a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais´ (Ef. 6:12). Por isso, temos que estar preparados para a ocorrência desta condição que estamos considerando, e sua manifestação em todos os tipos de pessoas e em muitas formas diferentes” (p.55-56).

“(…) o fato de que você se sente infeliz ou perturbado não significa que não seja um cristão. Na verdade, digo mais: se você nunca teve problema em sua vida cristã, duvido seriamente que realmente seja um cristão! Existe o que se poderia chamar de falsa paz, assim como há também crença no engano. Todo o Novo Testamento, bem como a história da Igreja através dos séculos, dão testemunho eloquente do fato de que esta é uma ´batalha da fé´, e não ter qualquer perturbação em sua alma está, portanto, longe de ser um bom sinal. Na verdade, é um sério sinal de que algo está radicalmente errado, e tenho uma boa razão para dizer isso, pois desde o momento em que nos tornamos cristãos, também nos tornamos os objetos especiais da atenção do diabo. Assim como ele assediou e atacou o Senhor Jesus, assim ele assedia e ataca todo o povo de Deus. ´Considerem motivo de grande alegria´, diz Tiago, ´o fato de vocês passarem por diversas provações.´ É assim que a sua fé é provada, pois isso não só é um teste da sua fé, mas de certa forma é também uma evidência de que você tem fé. É porque pertencemos a Deus que o diabo fará tudo o que puder para nos perturbar e abater. Ele não pode nos roubar a nossa salvação, graças a Deus, mas ele pode nos tornar miseráveis. Ele pode – se formos tolos a ponto de lhe dar ouvidos – limitar seriamente nossa alegria da salvação. E é isso que ele tenta fazer constantemente – e essa, por sua vez, é a razão por que temos esse ensino nas epístolas do Novo Testamento” (p.70-71).

“O que importa acima de tudo, caso você seja um cristão, não é o que foi antes, mas o que é hoje. Isso parece ridículo? É tão óbvio que a coisa importante não é o que você foi, e sim, o que é. Torna-se muito óbvio quando colocado desta forma, mas como é difícil ver isso quando o diabo está nos atacando! O apóstolo disse que ele não era digno de ser chamado apóstolo, porque tinha perseguido a Igreja de Deus; porém, ele continua dizendo: ´Mas, pela graça de Deus, sou o que sou´. O que importa o que eu fui? ´Sou o que sou´. Coloque nisso a sua ênfase. Não fique pensando o resto da vida sobre o que você foi. A essência da posição cristã é que você deve lembrar o que é. Certamente o passado permanece com todos os seus pecados. Entretanto, diga a si mesmo: Resgatado, curado, restaurado, perdoado, quem mais pode cantar Seus louvores como eu? ´Sou o que sou´ – não importa o que tenha sido o meu passado. E o que sou? Perdoado, reconciliado com Deus pelo sangue de Seu Filho derramado na cruz. Sou um filho de Deus. Fui adotado na família de Deus, e sou herdeiro com Cristo, co-herdeiro com Ele. Estou a caminho da glória. É isso que importa – não o que eu era, não o que eu fiz. Então, se o inimigo está atacando você nesta área, faça o que o apóstolo fez. Volte-se para ele e diga: ´O que está dizendo é verdade. Eu fui tudo o que você está dizendo. No entanto, não estou interessado no que eu era, mas no que sou, e sou o que sou pela graça de Deus!” (p.91-92)

“(…) não permitamos que o futuro hipoteque o nosso presente, nem permitamos que o passado o faça.” (p.104)

“(..) na vida cristã tudo é pela graça, do começo ao fim.” (p.131)

“A fé lembra o que as Escrituras chamam de ´grandíssimas e preciosas promessas´. A fé diz: ´Não posso admitir que Aquele que me trouxe até aqui vai me abandonar neste ponto. É impossível, não estaria de acordo com o caráter de Deus´. Então a fé, recusando-se a ser controlada pelas circunstâncias, lembra-se do que sabe e em que acredita.” (p.154)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s